Notícias


Sabesp aprimora processos de manutenção da rede e controle de usuários com tecnologia da Imagem

Com o objetivo de fortalecer o elo com seus parceiros fornecedores de matérias-primas e estimular uma economia sustentável nas regiões em que atua, a Natura, multinacional brasileira de cosméticos, perfumaria e higiene pessoal, criou em 2000 um projeto de sociobiodiversidade (SBD), a Rede Ekos, iniciativa focada no desenvolvimento socioeconômico sustentável de grupos extrativistas espalhados pelo Brasil. Hoje a iniciativa soma cerca de 3.100 famílias cadastradas em 36 comunidades cooperativas espalhadas por todo o país.

Com o desafio de gerar um banco de dados confiável, dinâmico e que inclua diferentes informações sobre as comunidades participantes do projeto, a companhia de produtos de beleza escolheu, por indicação do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), a Imagem para fornecer solução de inteligência Geográfica.

Por meio da plataforma ArcGIS e das análises geoespaciais fornecidas pela Imagem, a Natura proporciona melhor qualidade de vida e de trabalho para as comunidades SBD. “Nós planejamos capturar e correlacionar dados para medir o nível de produtividade das cooperativas e assim estreitar nossa participação no processo evolutivo da região, por meio de um programa de rastreabilidade de toda a cadeia de suprimento”, afirma Mauro Côrrea da Costa, gerente de suprimentos da Natura. 

Segundo ele, a companhia já atua para o bem-estar dessas 36 cooperativas por meio da repartição de benefícios (devolução de parte dos resultados econômicos referentes ao uso de recursos naturais); compra dos insumos produzidos; aportes em educação e saúde dos parceiros; e geração de melhores práticas trabalhistas com reconhecimento internacional junto à população dessas localidades. 

Em pleno desenvolvimento, a tecnologia da Imagem vai permitir que agentes de campo da Natura obtenham informações dos habitantes das comunidades tais como escolaridade, renda per capita, moradia e indicadores da cadeia produtiva. Também será possível ter informações sobre os insumos comprados pela Natura, e toda forma de trabalho inserida nas cooperativas, seja lavoura, extrativismo, manufatura, de maneira totalmente mobile. “Nos dez anos em que morei na Amazônia, nunca vi um projeto socioeconômico tão completo. Nosso objetivo é realmente fazer parte do meio onde atuamos”, diz Ronaldo Freitas, Gerente de Sustentabilidade da Natura.

De acordo com Freitas, toda vez que uma comunidade entregar matérias primas para a Natura, dados como valores, quantidade, qualidade e tipo dos recursos serão inseridos no ArcGIS possibilitando o monitoramento da produção das comunidades e mais transparência aos consumidores da empresa de cosméticos. A estratégia visa também abrir caminho para novos desafios, até 2020, a companhia deseja chegar a dez mil famílias no projeto de sociobiodiversidade Ekos. “É o jeito Natura de apoiar a economia sustentável no Brasil”, finaliza o gerente de sustentabilidade.